Artigo

Porque é uma ideia fantástica disponibilizar iPads para os nossos colaboradores?

*Por Michael J. Saylor 

Quando o Apple iPad chegou ao mercado ele foi inicialmente saudado como uma versão superior do iPod, adequada para mídias sociais e entretenimento digital. No entanto, seu impacto foi muito mais surpreendente e na verdade revolucionário do que se pensou em um primeiro momento, sinalizando o que eu acredito seja uma mudança quântica não apenas na computação pessoal, mas sim em como funciona o mundo dos negócios.

Desde julho de 2010, a MicroStrategy, a empresa fabricante de software de Business Intelligence de qual eu sou presidente e CEO, tem disponibilizado iPads para mais da metade de seus colaboradores e nós planejamos continuar com essa iniciativa ao longo de 2011. Acreditamos que isso se trata de um investimento em um futuro que se aproxima rapidamente.

O iPad é um tablet revolucionário, pois é a primeira vez que um dispositivo eletrônico, capaz de caber na palma das mãos, contempla uma interface multi-touch. Capaz de substituir o papel como um mecanismo de entrega de informação, fica ao lado de importantes invenções na história da inovação tecnológica, como o próprio papel, a prensa de impressão, a impressora a laser e ferramentas de editoração.

Antes não era possível disponibilizar todas as informações críticas para a tomada de decisão nas mãos dos decisores, independente de tempo ou lugar. O advento do tablet é histórico por acelerar a entrega de informação útil com uma ordem de grandeza, levando a inteligência a lugares que até agora nunca haviam sido servidos pelos computadores e propagando-a em todos os aspectos da nossa sociedade e em cada canto do mercado.

Essa mudança que está em curso pode ser melhor compreendida por meio do entendimento da diferença entre o Desktop Intelligence e Mobile Intelligence. O Desktop Intelligence entrega as informações no ponto de decisão por meio da internet ou computadores pessoais, instalados nos escritórios. Já por meio do Mobile Intelligence é possível obter a mesma informação por meio de smartphones ou tablets, em campo, seja na loja, no armazém, ou em qualquer outro lugar.

Considere, por exemplo, o impacto de utilização desses dispositivos em grandes redes varejistas. Tradicionalmente, as decisões sobre inventário e preços tinham que ser tomadas pelos comerciantes necessariamente nos escritórios, utilizando computadores desktop para analisar resultados de todos os pontos de distribuição geográfica. O Mobile Intelligence libera os executivos dos escritórios. Permite que todos, desde fornecedores, gerentes de lojas até executivos corporativos, tomem decisões por meio de uma colaboração mútua entre vendedores e clientes, por exemplo. Os benefícios são imensos, dando aos usuários de tablets a habilidade de negociar acordos e modificar pedidos em tempo real e ainda permitindo que o impacto dessas decisões seja imediatamente percebido e analisado. Pense nas mudanças que ocorrem nas lojas de redes varejistas com grandes volumes de vendas que estão constantemente à espreita e procuram meios de maximizar o espaço nas prateleiras e otimizar a venda de itens como sabão e refrigerantes. 

Considere ainda como a vida de representantes farmacêuticos, que andam pelos corredores dos hospitais tentando apresentar seus produtos para um médico ou para os compradores de medicamentos, está prestes a mudar. Essas pessoas não conseguem carregar laptops que os permitam  reconfigura as prateleiras ou fazer uma apresentação de um novo medicamento in loco, de forma tão real como eles gostariam que fosse. Mas, por outro lado, eles podem carregar seus iPads ou qualquer outro tablet similar, pois eles são  especificamente construídos para essas tarefas, além de serem leves, eficientes, compactos e poderosos.

Dentro de nossa empresa estamos vendo essa mudança do desktop para o Mobile Intelligence em primeira mão com a utilização do iPad. Somos capazes agora de fazer tudo mais rápido: identificar problemas, negociar contratos e fechar negócios. Internamente, tomamos todas as nossas decisões críticas, desde a contratação para reorganizar os serviços, de forma mais rápida e inteligente.  A informação que influencia todas as nossas decisões está agora prontamente disponível em nossas mãos. Além disso, estamos alcançando consenso de grupo mais rapidamente também.

Com o iPad, reduzimos drasticamente o tempo de resposta de aprovações administrativas como despesas de viagens, pedidos de compras e levantamentos. As respostas referentes às aprovações anteriormente levavam de três a cinco dias e, agora, isso acontece dentro de 24 horas. Você pode estar em um elevador ou em casa e sempre que tiver um tempinho pode manter os negócios em andamento.

É inevitável a pergunta "os tablets irão mudar radicalmente os locais de trabalho?". Como estamos nos movendo em direção a um mundo sem papel e longe da necessidade de impressoras e armários, eu acho que a resposta é sim, sem dúvida. É claro que certas coisas são melhores feitas frente a frente, de modo que sempre haverá uma necessidade de se ter um escritório convencional, com espaço para reuniões e colaborações. Os engenheiros que constróem códigos de software, por exemplo, geralmente obtém mais resultados quando se agrupam e falam cara a cara. Por outro lado, a operação crítica de valor agregado de um vendedor não ocorre pessoalmente com outro vendedor, ou mesmo frente a frente com um engenheiro ou até mesmo com o seu chefe. A interação crítica é unicamente com o cliente.

O tablet nos capacita a passar mais tempo com clientes, fornecedores e vendedores, por permitir estar fora do escritório e em  campo. O resultado disso tudo é melhores decisões de negócios em geral e uma revolução no relacionamento entre clientes, fornecedores, distribuidores, gerentes e equipe.

*Michael Saylor é fundador, presidente e CEO da MicroStrategy, fabricante de software de Business Intelligence.

mais recentes · mais antigos

® 2007-2011 TIBAHIA.COM - O portal de tecnologia da Bahia. Todos os Direitos Reservados.