Organizações

Governo, empresas e filantropos devem investir em inovação

Salvador, 23/05/2019 - O Brasil tem profissionais qualificados, infraestrutura e motivação econômica e social para dar suporte à criação de empresas inovadoras na área da Saúde. Mas, para isso, precisa contar com o aporte de recursos feito por governos, filantropos e grandes empresas.

A análise foi feita pelo químico Raymond Schinazi, professor da Emory University, dos Estados Unidos, durante o simpósio Innovation in Drug Discovery and Development 2019, realizado no dia 14 de maio no Instituto de Radiologia (InRad) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FM-USP). O cientista é conhecido pela contribuição para o desenvolvimento de fármacos contra o HIV, vírus causador da Aids, contra as hepatites B e C e pela criação de empresas farmacêuticas.

“Vocês têm grandes cientistas, grandes mentes e bastante motivação, não só financeira, mas também para fazer o bem público. Vi os hospitais que criaram, os laboratórios, os equipamentos nos quais investiram. Acredito que seu país, a despeito da situação econômica atual, vai se recuperar e se tornar muito bem-sucedido”, disse Schinazi.

O simpósio Innovation in Drug Discovery and Development e a vinda do pesquisador ao Brasil integram o projeto “Discussion of research projects involving chronic Hepatitis B and C antiviral treatment”, apoiado pela FAPESP e pela Emory University no âmbito do programa São Paulo Researchers in International Collaboration (SPRINT).

Schinazi se tornou célebre com a criação de drogas análogas de nucleosídeos e nucleotídeos, enzimas que fazem parte do DNA e do RNA. As versões sintéticas dessas enzimas são modificadas de forma a fazer os vírus pararem de se replicar. Dois compostos criados pelo pesquisador, o 3TC (também usado no tratamento da hepatite B) e o FTC, estão presentes em algumas das principais drogas contra o vírus do HIV, como Combivir, Trizivir, Truvada e Atripla.

“Schinazi é um dos maiores exemplos de inovação e resolvemos trazê-lo para incentivar as várias pessoas que trabalham aqui”, disse Suzane Kioko Ono, professora da FM-USP e coordenadora do evento. Ela é parceira de Schinazi no desenvolvimento de drogas para a hepatite B, doença que acomete 257 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A pesquisadora integra o Centro de Inovação Tecnológica (Citic) do Instituto Central do Hospital das Clínicas, que busca implementar parcerias com o setor privado, atrair investidores e estimular o empreendedorismo para o desenvolvimento de produtos inovadores e sistemas de base tecnológica na área da Saúde.

Ono explicou que, no Brasil, as parcerias com o setor privado podem ser pensadas desde o início de um projeto, envolvendo desde a doação de reagentes até a utilização de laboratórios em comum, tanto na academia quanto na indústria.

“No caso específico da hepatite B, uma vez identificado um composto que é um potencial antiviral, após os estudos in vitro e em animais comprovarem que é seguro e pode ser testado em estudos clínicos, a parceria com a indústria farmacêutica se mostra importante para a realização de estudos com voluntários até a aprovação final”, explicou.

Descoberta de novas drogas

A parceria universidade e empresas para o desenvolvimento de produtos inovadores tem conhecido avanços. O Centro de Excelência para Descoberta de Alvos Moleculares (CENTD), um Centro de Pesquisa em Engenharia (CPE) constituído pela FAPESP e a GlaxoSmithKlein (GSK), com sede no Instituto Butantan, tem como objetivo identificar alvos moleculares e vias de sinalização envolvidas em doenças de base inflamatória.

Ana Marisa Chudzinski-Tavassi, coordenadora do CENTD, apresentou no simpósio as linhas de pesquisa desenvolvidas e seu modelo de financiamento.

“Nossa estratégia é o uso de venenos e secreções de animais como uma ferramenta para a descoberta de novos alvos moleculares. São substâncias muito interessantes, bastante complexas, e podemos encontrar nelas proteínas, inibidores, entre outros, especializados em alvos específicos. São vários sistemas fisiológicos em que esses venenos podem ser aplicados, como o de coagulação, sistema imunológico, reações locais, e trabalhamos com todos eles”, disse.

Nos Estados Unidos, o desenvolvimento de projetos de pesquisa em parceria envolve, além de empresas, também a filantropia, disse Schinazi. Segundo ele, esse modelo poderia ser mais aplicado no Brasil.

“A filantropia é extremamente importante. Há pessoas muito ricas no Brasil e elas certamente gostariam de ver seu dinheiro ir mais longe. Visitei o Hospital Albert Einstein e notei que os equipamentos e laboratórios são melhores do que os encontrados em alguns laboratórios norte-americanos, tudo graças a doações de famílias ricas”, disse.

No entanto, para o pesquisador, o financiamento público continua sendo fundamental para manter a pesquisa e o desenvolvimento de um país.

“Temos nos Estados Unidos o National Institutes of Health [NIH], que gasta bilhões de dólares em pesquisa todo ano. Acho que é fantástico o que o país fez e isso deve ser modelo”, disse. Em 2019, o NIH teve um acréscimo de US$ 2 bilhões ao seu orçamento, totalizando US$ 39,1 bilhões para serem gastos esse ano.

Também participaram do Simpósio Ricardo di Lazzaro e Pedro Henrique Camargo Penna, cofundadores da startup de saúde NAIAD; Dan Salazar, cientista-chefe da farmacêutica EMS; e Jaime Rabi, diretor da Microbiológica Química e Farmacêutica.

“Esse encontro foi o pontapé inicial, esperamos continuar esse diálogo para em breve trazer mais resultados”, disse Ono.

mais recentes · mais antigos

® 2007-2011 TIBAHIA.COM - O portal de tecnologia da Bahia. Todos os Direitos Reservados.