Eventos

Huawei debate o futuro da fibra óptica no F4 Summit

Salvador, 17/12/2018 - Em breve, conteúdo em vídeo contribuirá com mais de 89% de todo o tráfego de dados. Dispositivos variados serão onipresentes e todas as coisas serão sensíveis e inteligentes. Esse mundo conectado - no qual a demanda por banda larga via fibra óptica crescerá para viabilizar que mais de 40 bilhões de dispositivos conversem entre si e movimentará até US$ 23 trilhões – foi tema de debates na última sexta-feira (14/12), promovidos pela Huawei durante o F4 Summit. A iniciativa reuniu diversas empresas de tecnologia para discutir os rumos e desafios da conectividade por fibra óptica em nosso País. O evento, realizado em São Paulo, contou com a participação convidados e lideranças das indústrias de conteúdo, infraestrutura e dispositivos, bem como autoridades e analistas.

A economia digital, por exemplo, irá demandar investimentos, mas também deve gerar benefícios: de acordo com o Banco Mundial, 10% de aumento em investimentos em penetração de banda larga implica em um crescimento de até 1,5% do PIB. Zou Zhilei, presidente da Huawei na América Latina, apontou os benefícios da banda larga para o desenvolvimento de um país: “O mercado brasileiro de TIC está prestes a decolar. É um momento crucial. O Brasil atual é igual a China há 5 anos”, analisou Zhilei.

Em sua agenda, o F4 contou com palestras de vários setores do governo. “O Ministério vem tendo uma interação constante com a Huawei para tornar o ambiente da banda larga cada vez melhor. É importante a discussão promovida pela Huawei nessa iniciativa de reunir o setor. É uma agenda essencial para o Brasil”, declarou Artur Coimbra, Secretário de Telecomunicações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), que apresentou o plano do governo para banda larga no Brasil.

Já Leonardo Euler, presidente da Anatel, mostrou como a regulamentação auxilia no desenvolvimento da tecnologia, enfatizando a importância da infraestrutura. “Todas as possibilidades só existem se houver conectividade. E a conectividade só existe com a infraestrutura de telecomunicação. E a Huawei é uma parceira para isso”, declarou Euler.

Entre as empresas privadas, o evento contou com a participação de executivos da SEMP TCL, Globosat e Turner / Esporte Interativo. Todos eles mostraram que a produção, seja de equipamentos quanto de conteúdo, já está pensando nesta nova era: “Todos os jogos da Copa da Rússia foram em 4K, a 1ª na íntegra neste modelo”, afirmou Lourenço Carvano, Diretor de Tecnologia de Produção de Conteúdo da Globosat.

“Construir uma nova era exige a participação de todos os atores do setor. Devemos todos trabalhar juntos no desenvolvimento do ecossistema e das políticas públicas necessárias para a evolução das práticas de negócios de vídeo, das novas telas e de uma nova banda larga”, resumiu Juelinton Silveira, Diretor de Comunicação e Relações Governamentais da Huawei, da Huawei.

® 2007-2011 TIBAHIA.COM - O portal de tecnologia da Bahia. Todos os Direitos Reservados.