Softwares e Serviços

Cabeamento subterrâneo se firma para o mercado de telecom

Dentre as vantagens práticas do sistema, estão, por exemplo, a redução de uma manutenção constante, além de possibilitar uma "despoluição" visual.

Salvador, 09/08/2019 - O cabeamento subterrâneo já foi tendência e vem se tornando a cada dia uma realidade nos grandes centros urbanos do Brasil. Promovendo uma segurança superior, o modelo impossibilita casos de rompimentos acidentais de cabos causados por ventos, chuvas fortes, descargas elétricas e, inclusive, caminhões desavisados que passam em regiões onde sua altura não é autorizada.

De acordo com o coordenador técnico da Fibracem, indústria especializada no setor de comunicação óptica, Marco Giannetti, a mudança para este modelo  de infraestrutura de rede não altera a eficiência da transmissão dos dados. Para ele, a única diferença neste modelo  são os cabos, que necessitam  de uma atualização no design construtivo e nos materiais das  proteções que as fibras devem ter para não assimilarem os esforços durante os processos de instalação e  operação.

“O cabo subterrâneo atual é dimensionado para suportar um esforço de tração máximo equivalente a duas vezes o seu peso por quilometro, enquanto o cabo aéreo suporta o esforço igual a 1,5 vezes o seu peso por quilometro para instalações em vão de 80 m, duas vezes para vão de 120m e três vezes para vão de 200m”, comenta.

O sistema de cabeamento subterrâneo é utilizado em países desenvolvidos há vários anos. Dentre as vantagens práticas, estão, por exemplo, a redução de uma manutenção constante, além de possibilitar uma "despoluição" visual. Entretanto, foi nos últimos anos que o Brasil passou a pensar neste novo molde, porém não avançou como se esperava devido aos altos custos envolvidos no modelo tradicional.

CEOs

Giannetti afirma, também, que  se tratando das emendas de fibra óptica, mesmo com o cabeamento subterrâneo, continuarão sendo usadas algumas dos modelos atuais. Segundo ele, existem no mercado caixas de emenda (CEO) com fechamento termo contrátil (SVT) ou mecânico (SVM), já homologadas pela ANATEL para uso subterrâneo ou aéreo.

“No novo modelo, ou seja, a  tendência é reduzir a área ocupada nas instalações subterrâneas com o uso de microcabos em microvalas a exemplo dos países mais avançados no uso dos cabos ópticos", afirma.

O coordenador técnico enfatiza que com a redução das aéreas ocupadas, se tem,  uma redução drástica nos custos de implantação. “Com isso, não haverá mais a necessidade da abertura das atuais valas  com  amplas dimensões que causam grandes transtornos no dia a dia das pessoas, além de serem muito onerosas. As valas para os micro cabos  possuem a largura máxima ao redor de 5 centímetros no máximo e uma profundidade por volta de 40 centímetros”, podendo por exemplo serem construídas sob o meio fio, sem causar transtornos nas vias públicas ou nas calçadas, salienta.

Benefícios para o setor de telecom

Segundo Giannetti, com a chegada da política de cabeamento subterrâneo utilizando-se os micros cabos, alguns benefícios serão evidentes no mercado de telecomunicações. Para o especialista, com o advento do 5G e da Internet das Coisas (IoT) o uso das fibras ópticas irá aumentar e será necessário disponibilizá-las em muitos pontos, ou seja, a capilaridade da rede óptica será fundamental. "Em um  futuro muito próximo, o uso dos microcabos é  a solução a ser implementada de um modo muito rápido", comenta.

mais recentes · mais antigos

® 2007-2011 TIBAHIA.COM - O portal de tecnologia da Bahia. Todos os Direitos Reservados.